terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

8M : Dia Internacional da Mulher!

 DIA  08 DE MARÇO DIA INTERNACIONAL DA MULHER 

A luta das Mulheres por emancipação, contra a cultura machista e em defesa de direitos básicos e trabalho digno tem marcado fortemente a história, eclodindo fortemente no início do Século XX com a Segunda Revolução Industrial e a Segunda Guerra Mundial, quando a mão-de-obra feminina passa a ser explorada em massa de forma aviltante na indústria, em condições  de trabalho, frequentemente insalubres e perigosas, com uma jornada diária de cerca de 15 horas as trabalhadoras  se organizam em frequentes protestos que se espalham pelo mundo inteiro. Um dos mais marcantes foi o ocorrido em 25 de março de 1911, na fábrica Têxtil da Triangle Shirtwaist em Nova Iorque que resultou no terrível incêndio que vitimou 146 trabalhadores – a maioria costureiras. Frequentemente se relaciona o Dia Internacional da Mulher a esse acontecimento nefasto, que embora tenha sido determinante para fomentar a luta não foi o único. 

PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS HISTÓRICOS NO MUNDO:

Em 1907, Clara Zetkin Organiza o I Congresso de Mulheres Socialistas, com Rosa Luxemburgo e Alexandra Kollontai, chamam os vários partidos socialistas a entrar na luta pelo sufrágio feminino.

1908 Estados Unidos - Cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país.

1909 Estados Unidos _ Partido Socialista convoca um protesto que reuniu mais de 3 mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas.

1910 Dinamarca - II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas na, quando é apresentada uma resolução para a criação de uma data anual para a celebração dos direitos da mulher que foi aprovada por mais de cem representantes de 17 países. O objetivo era honrar as lutas femininas e, assim, obter suporte para instituir o sufrágio universal em diversas nações. 

1911 Alemanha, Suíça, Áustria e Dinamarca - Primeira grande manifestação pela emancipação das mulheres trouxe às ruas mais de um milhão de cidadãs.

1915 Suíça - Congresso Internacional de Mulheres contra a Primeira Guerra Mundial.

1917 Rússia – Greve das mulheres que deflagrou início da Revolução Russa, quando aproximadamente 90 mil operárias se manifestaram contra o Czar Nicolau II, as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra - em um protesto conhecido como "Pão e Paz"

1921 Rússia - A III Internacional Socialista define, em Moscou, o 8 de Março como o dia para se publicitar internacionalmente as lutas pela libertação das mulheres.

1921 ONU - Assinatura do primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres (que só será validado 20 anos depois)

1945 ONU - Validado o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres.

1960 Mundo Todo - Movimento Feminista se espalha e ganha força no mundo. Surge o novo feminismo, em paralelo com a luta dos negros norte-americanos pelos direitos civis e com os movimentos contra a Guerra do Vietnã.

1975  Mundo Todo - Comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher  

1977 Nações Unidas – Dia 08 de Março Reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher

CONQUISTAS DAS MULHERES NO BRASIL:

1920 Movimento sufragista brasileiro em prol dos direitos da mulher ganha força, nas décadas de 20 e 30 intensificam-se as reivindicações à participação política.

1932 Conquista do Direito ao Voto, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.

1960 A partir da década de 60, o movimento incorporou questões que necessitam melhoramento até os dias de hoje, entre elas o acesso a métodos contraceptivos, saúde preventiva, igualdade entre homens e mulheres, proteção à mulher contra a violência doméstica, equiparação salarial, apoio em casos de assédio, entre tantos outros temas pertinentes à condição da mulher.

2006 Lei 11.340/06 Cria  Lei Maria da Penha mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher.

2015 Lei do Feminicídio (Lei nº 13.104) A aplicação da norma se junta à lei Maria da Penha e às políticas criadas para prevenir e punir atentados, agressões e maus-tratos, em uma demonstração do empoderamento das mulheres.

2017 11 anos depois de promulgada da Lei Maria da Penha o Brasil ainda registra dados alarmantes de violência contra a mulher.
·       13 mulheres são assassinadas por dia no Brasil (Fonte: MS/SVS/CGIAE – Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM).
·       A cada cinco minutos uma mulher é agredida no Brasil (Mapa da Violência 2012 – Homicídio de Mulheres).
·       A cada 2 horas uma mulher é vítima de homicídio, 372 por mês. (Instituto Avante Brasil – IAB a partir de dados do DataSUAinda hS, do Ministério da Saúde – Mapa da violência 2012)

NESTE 08 DE MARÇO NÓS VAMOS PARAR, VAMOS TOMAR ÀS RUAS,   VAMOS LUTAR!


BORA LÁ COMPANHEIRA... FLORIR AS RUAS COM NOSSOS SONHOS E EXIGIR O QUE É NOSSO POR DIREITO!

https://youtu.be/Mg_COKZphqY

Eu mulher!
46 anos de uma vida feminina
Passos lentos e apressados
Equilibrando-me no fino fio que é a vida
Menina franzina (La na roça) 
Despertava com a Aurora
Fixava o olhar no horizonte
Perdia-me toda nos raios do sol nascente
E quando moça faceira tardava a dormir
Sempre a espreitar os mistérios do Crepúsculo
Ah! Quantas cantigas de roda
Quantos poemas de amor
Quanto riso, quantas lagrimas
Forjaram-me no chão batido da fabrica
8 horas de labuta diária
A marmita quase sempre meio que fria
O salário menos que mínimo, visto tudo o que vinha descontado
Os descontos era coisa que ninguém entendia
Chamaram o sindicato pra explicar
E lá veio a companheira com carro de som
Voz de quem sabia o que falava
(dizem que hoje já não é mais a mesma)
Mas naquele dia vi o Bom Retiro parar
Costureiras de braços cruzados
Patrões Judeus, Coreanos, Brasileiros tiveram que explicar!
E a companheira que falava bonito no microfone
Disse que no dia seguinte seria 8 de março
Dia Internacional da Mulher
Dia de celebrar a luta das operarias queimadas
Um arrepio de indignação diante da historia narrada
Foi então que assustada ouvi, meu grito de Não!
Não mais escrava de um sistema nefasto!
Não a exploração da minha classe!
Não!
Não fui mais uma menor escravizada
Com 16 anos me fiz mulher operaria sindicalizada!
Nos 29 anos seguintes
Comi muito ovo frito na marmita mal esquentada
Fui “amassada” Em ônibus coletivos lotados
Atrasei o crediário das Casas Bahia
Tive meu nome protestado
Casei, separei, engravidei, pari..amei!!!
E junto essas letras mal rimadas
Pra dizem sou mulher de luta
Como tantas outras camaradas
Grito não a qualquer forma de opressão!



NATALIA SOFIA CHAMANDO A MULHERADA DE CAIEIRAS PARA NOSSA  CIRANDA CULTURAL: A MULHER E O EMPODERAMENTO DO ESPAÇO PÚBLICO no dia 04/03 às 15 horas: na Praça da Emancipação. (Em frente a estação de Trem de Caieiras). 


https://www.youtube.com/channel/UCJ6WBmMXoEvO3z_0wz5g5pQ

https://www.facebook.com/events/1849001775370754/

Fontes: 
https://tlsregionalgrandeabc.wordpress.com/2017/02/27/contribuicao-as-mulheres-da-tls-e-ao-debate/

http://www.geledes.org.br/hoje-na-historia-1975-onu-oficializa-o-dia-8-de-marco-como-dia-internacional-da-mulher/?gclid=CjwKEAiA3NTFBRDKheuO6IG43VQSJAA74F77TD9CbFj_v1hDp5QGAKX7UIpespzUsj5L0HXkviBO9hoCjjLw_wcB#gs.YOm9acU


http://www.politize.com.br/tag/mulheres/

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

*APRESENTO-LHE VIDA´RTE *

Minha "Arteira fazendo arte" Visitem o canal dela e confiram essa belezura que a Vida me deu! <3 <3 <3 <3 Amo, amo, Amo!!!



domingo, 26 de fevereiro de 2017

8M Eu Mulher!!!

Aproveitando o Carnaval pra gravar... Passa lá no meu canal e confira a Mensagem/Chamada para o dia Internacional da Mulher. 
Inscreva-se no Canal, deixe seu (y) e receba meu Abraço Poético de Luta!








Eu mulher!
46 anos de uma vida feminina
Passos lentos e apressados
Equilibrando-me no fino fio que é a vida
Menina franzina (La na roça) 
Despertava com a Aurora
Fixava o olhar no horizonte
Perdia-me toda nos raios do sol nascente
E quando moça faceira tardava a dormir
Sempre a espreitar os mistérios do Crepúsculo
Ah! Quantas cantigas de roda
Quantos poemas de amor
Quanto riso, quantas lagrimas
Forjaram-me no chão batido da fabrica
8 horas de labuta diária
A marmita quase sempre meio que fria
O salário menos que mínimo, visto tudo o que vinha descontado
Os descontos era coisa que ninguém entendia
Chamaram o sindicato pra explicar
E lá veio a companheira com carro de som
Voz de quem sabia o que falava
(dizem que hoje já não é mais a mesma)
Mas naquele dia vi o Bom Retiro parar
Costureiras de braços cruzados
Patrões Judeus, Coreanos, Brasileiros tiveram que explicar!
E a companheira que falava bonito no microfone
Disse que no dia seguinte seria 8 de março
Dia Internacional da Mulher
Dia de celebrar a luta das operarias queimadas
Um arrepio de indignação diante da historia narrada
Foi então que assustada ouvi, meu grito de Não!
Não mais escrava de um sistema nefasto!
Não a exploração da minha classe!
Não!
Não fui mais uma menor escravizada
Com 16 anos me fiz mulher operaria sindicalizada!
Nos 29 anos seguintes
Comi muito ovo frito na marmita mal esquentada
Fui “amassada” Em ônibus coletivos lotados
Atrasei o crediário das Casas Bahia
Tive meu nome protestado
Casei, separei, engravidei, pari..amei!!!
E junto essas letras mal rimadas
Pra dizem sou mulher de luta
Como tantas outras camaradas
Grito não a qualquer forma de opressão!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Apesar de Temer... Dias melhores virão!

De hoje 7 da matina... "meio embaçada"! Confira lá no Canal e deixe seu (y) <3



Sobre mim...
Mãe, Filosofa Militante
Poetisa Operaria em Construção
Mulher, Maria marcada pela estranha mania de ter fé na vida!
Dormir sempre muito tarde
Acordar bem cedo
Não se contentar nunca com a simples contemplação
Reafirmar a cada manhã o compromisso com a transformação
Afagar-me a alma
Regrar o jardim interno
Florir, saborear-me os frutos
Separar as boas sementes
Replantar Esperança
Seguir em frente
APESAR DE TEMER
Dias melhores virão

APESAR DE TEMER...

Sobre mim...
Mãe, Filosofa Militante
Poetisa Operaria em Construção
Mulher, Maria marcada pela estranha mania de ter fé na vida!
Dormir sempre muito tarde
Acordar bem cedo
Não se contentar nunca com a simples contemplação
Reafirmar a cada manhã o compromisso com a transformação
Afagar-me a alma
Regrar o jardim interno
Florir, saborear-me os frutos
Separar as boas sementes
Replantar Esperança
Seguir em frente
APESAR DE TEMER
Dias melhores virão!



sábado, 18 de fevereiro de 2017

Castelo de Areia e Moinhos de Vento!

Porque hoje é sábado
Não só por ser sábado
Acordei, quase sem ter dormido
Me sentindo Dulcineia de Cervantes
Amor imaginário de Dom Quixote
Condenada a este castelo de areia
Da janela da torre
Posso vê-lo
Lançar-se contra moinhos de vento...
Seguir a estrada...
Rumo a Utopia
Quisera eu trocar de lugar
Ser Sancho e seguir-te os passos!





sábado, 11 de fevereiro de 2017

TEATRO: AMOR, VERMELHO AMOR

TEATRO DO OPRIMIDO 
PEÇA: Amor, Vermelho Amor!  
AUTORIA: Lúcia Peixoto 

CONTEXTO: Século XXI, Rua de uma grande cidade brasileira. 


João (Seu Jão) Operário da construção civil e sua esposa Maria da Conceição (Dona Ceiça), vendedora de doces, trabalham duro para criar os filhos João e Maria. Tudo sob o olhar atento e repressor do “Segurança da ordem pública” 
1ª Cena: Seu Jão e dona Ceiça apresentam a dura vida de retirante, dialogando com a música  Cidadão do mundo. 
2ª Cena: Intertextualidade com a obra Morte e Vida Severina, o casal contracena com Severino sua companheira Meire Cleide, artistas que apresentam seu espetáculo na rua. Os defendendo da ação repressora do  “Segurança da ordem pública”. 
3ª Cena João e Maria são confrontados com a realidade. 
4ª Cena: Desfecho final decidido pelo coletivo 

DONA CEIÇA MONTA SUA BANCA DE DOCES, SEU JÃO PREPARA A MASSA DE CIMENTO ENQUANTO JOÃO E MARIA BRINCAM COM UMA BOLA DE JORNAL. CANTAM E/OU RECITAM A MÚSICA CIDADÃO DO MUNDO.  
Seu JãoTá vendo aquele edifício moçoAjudei a levantar. 
Dona Ceiça: Foi um tempo de afliçãoEram quatro condução Duas prá ir, duas prá voltar 
Seu Jão: Hoje depois dele prontoOlho prá cima e fico tonto... 

SURGE UM SEGURANÇA DE TERNO E GRAVATA 
 Segurança: Tu tá aí admirado? Ou tá querendo roubar?" 
Seu JãoMeu domingo tá perdidoVou prá casa entristecido Dá vontade de beber/prá aumentar meu tédioEu nem posso olhar pro prédioQue eu ajudei a fazer... 
Dona Ceiça :Tá vendo aquele colégio moço? 
Seu Jão: Eu também trabalhei láLá eu quase me arrebentoFiz a massa, pus cimento / Ajudei a rebocar  Minha filha inocente ... 
Maria: Pai vou me matricular! 
Segurança: "Criança de pé no chão Aqui não pode estudar" 
Dona Ceiça e Seu Jão: Essa dor doeu mais fortePor que é que eu deixei o norteEu me pus a me dizerLá a seca castigavaMas o pouco que eu plantava / Tinha direito a comer... 
Seu Jão: Tá vendo aquela igreja moçoOnde o padre diz amém /Pus o sino e o badaloEnchi minha mão de calo... 
Dona Ceiça e Seu Jão: Lá eu trabalhei também! 
ENTRAM O PADRE E VÁRIAS PESSOAS (QUERMESSE) 
Padre: "Rapaz deixe de toliceNão se deixe amedrontarFui eu quem criou a terraEnchi o rio, fiz a serraNão deixei nada faltar Hoje o homem criou asaE na maioria das casasEu também não posso entrarFui eu quem criou a terraEnchi o rio, fiz a serraNão deixei nada faltarHoje o homem criou asas/ E na maioria das casa/ Eu também não posso entrar" 
FORMA-SE UMA QUADRILHA JUNINA. JOÃO E MARIA CORREM POR ENTRE AS PESSOAS.  
2ª CENA: JOÃO E MARIA ADOLESCENTES, UNIFORME ESCOLAR ESPERAM O ÔNIBUS. ELA MASCA CHICLETE COM FONES DE OUVIDO, DONA CEIÇA VENDE NA BANCA E SEU JÃO LEVANTA O MURO. ELE JOGA NO CELULAR COM FONE DE OUVIDO. SURGE UM ARTISTA DE RUA, IGNORADO POR ELES. UTILIZANDO UMA CAIXA DE PAPELÃO FAZ UM SHOW DE FANTACHES INTERAGINDO COM O PÚBLICO. 
Severino: (Dirigindo-se aos irmãos) Bom dia moça bonita! Bom dia garboso rapaz! (Ignorado) Bom dia senhor, Bom dia senhora...  
Dona Ceiça e Seu Jão: Dia! 
Severino: É vida dura... dura pra quem é mole... pra quem é duro de grana só resta o bom humor pra amolece a danada da vida... rapadura é doce mais é mole não... Precisa atravessar a rua não, nem carece se assustar com meu falatório... eu podia tá roubando, furtado, me prostituindo ne mesmo?, mas o que faço na vida não é nada disso não... eu sou um arteiro, um sonhador, um retirante Severino... (Arruma a caixa, palco do teatro de boneco) 
Seu Jão: (Sem parar o trabalho) Igual ha tantos Severinos que João Cabral de Melo Neto Cantou. 
Dona Ceiça: (Trabalhando) Iguais em tudo na vida: na mesma cabeça grande   que a custo é que se equilibra, no mesmo ventre crescido   sobre as mesmas pernas finas   e iguais também porque o sangue,  que usamos tem pouca tinta. 
Severino: Como eu estava explicando, sou Severino artista, fazendo de arte, sempre trago comigo minha companheira Meire Cleide é o nome do meu amor... Já nasceu com nome de artista Meire Cleide minha flor! Ta embuchada a bichinha... Posso ser cabeça grande, barrigudinho... mas tenho um amor doido por ela, ela também ama eu ochente! E nós dois junto, eu e ela, ela mais eu... Fagner tocando na Web... sou Severino mais sou chique bem... tenho até celular com Wi-Fi... Escuta só... nossa melodia... de Meire Cleide mais eu! (Dubla a musica, acalento da paixão, enquanto prepara-se para a apresentação.) 
AO FINAL DA MÚSICA ENTRA UM JOVEM COM UMA CAXINHA DE SOM OUVÊ-SE UM FUNK ESTRINDENTE.( Mc Marcinho - Não Para Não SURGEM OUTRAS PESSOAS. (CHEGADA DO ÔNIBUS) JOÃO E MARIA SE ESPREMEM ENTRE OS PASSAGEIROS. FINAL DO FUNK (O ÔNIBUS SAI.) 

Severino:Virgem Santa... que me deu até um zumbido na cabeça... essa mocidade aqui da cidade grande chama cada coisa de música... que isso minha gente?... Bom cada um com seu jeito ne mesmo... então eu estava dizendo que Meire Cleide mais eu, fizemos lá as coisas ne... com Fagner cantado na Web... e vamos ter um Severininho, e é pra dar uma vida melhor pra ele, diferente dessa nossa vida severina...que eu estou aqui apresentando minha arte, pra juntar uns caraminguadinhos... Meu filho mais Meire Cleide vai ser doutor... Vai entender das letras... nós já estamos juntando um dinheirinho que pra pagar os estudos do menino... como minha flor a Meire Cleide.. estava indisposta deixei ela dormindo e sai de fininho... 

ENTRA MEIRE CLEIDE (BARRIGA DE 8 MESES) 

Meire Cleide: Quer dizer então que o artista me deixou dormindo e veio pra praça se amostrar sozinho? 

Severino: Meire Cleide minha flor!... mas se eu estava falando pro povo agora mesmo do nosso amor.. não é não gente? Do nosso Severininho... da música de Fagner... 

Meire Cleide: (Envergonhada) Tu não tem jeito... contando nossas intimidades... bora trabalhar nosso teatro homem, que o povo quer saber dessas histórias não. 

Dona Ceiça e Seu Jão: (Abraçados) quem é que não gosta de história de amor? 

ARRUMAM O PALCO ESTENDENDO UMA “LONA VERMELHA DE FUNDO”  

Severino: Peço a atenção da senhora, do senhor, do rapaz da jovem do menino e da menininha, Companheiros, Camaradas escute com atenção! ... nosso teatrinho é coisa bem rápida... Mas não pense que é brincadeira... vou apresentar a vocês os verdadeiros artistas são poetas do povo, revolucionários, socialistas! que falam de amor, mais não é só amor de Severino por Severina que faz Severininho... é amor de gente por gente, amor, vermelho amor! 

Segurança: (Na espreita) Eita que eu estou achando que esses artistas São comunistas!  

Seu Jão: Comunista?... Então vou me achegar pra escutar... la no sindicato falaram que Comunismo é coisa de um tão de Marx, que dizia que os trabalhadores do mundo tem que se unir pra defender os seus direitos... 

Dona Ceiça: Será que não é coisa maligna? É bom se achegar e escutar tudo direitinho... se for coisa do mal... conto pro padre... cruz credo Ave Maria! 

SegurançaQue padre que nada... se for coisa de comunismo chamo logo é patrão que ele acaba com a rebelião. 

OS DOIS SE SENTAM NA PLATEIA. O SEGURANÇA OBSERVA DESCONFIADO. INICIA O TEATROMEIRE CLEIDE RECITA  

M. CLEIDE: Amor, vermelho amor... Ágape e Cristão, Ubuntu... Minha existência significada no seu existir! 

Severino: Se é de política que estamos a falar? Ora seu moço chega mais pra cá... ouça com o coração deixa falar sua razão... esqueça os interesses do patrão! 

SEU JÃO: Isso eu sei de cor... a força do opressor vem da cumplicidade do oprimido! 

Segurança: vocês não me enganam com esse falatório, fazendo de conta que é arte estão é falando de política! 

Severino: E política meu caro é arte do bem comum, definida por Aristóteles lá na Grécia antiga!  
Segurança:  Agora já se passou dos limites, por cor vermelha no amor já era de se suspeitar... agora vem falando de filosofia, o patrão não vai gostar! (se afasta chamando ao celular) 

M. CLEIDE: Amor, vermelho amor, Amor que ama a humanidade, defende o oprimido quando este tem sua vida expropriada! 


O SEGURANÇA INTERROMPE VIOLENTAMENTE A CENA, SEGUIDO POR OUTROS. ARRENCAM A TELA VERMERLHA E CONFISCAM A CAIXA E OS BONECOS, DONA CEIÇA E SEU JÃO TENTAM SALVAR OS PRODUTOS DO CARRINHO DE DOCES. 

Segurança: Vamos parar com essa baderna... isso aqui é propriedade privada... pode levar... 

Severino: Por favor senhor autoridade... só estamos fazendo arte...  

Segurança: Já falei, as tranqueiras pode aprender e os baderneiros acho bom dar o fora ou acaba indo em cana por perturbação da ordem publica. 

Jão: Deixa os bonecos estava tão bonito o espetáculo... 

Segurança: Quem é você? 

Jão: O senhor me conhece... sou Seu Jão... trabalhei ai na construção do predio... 

Segurança: Que atrevimento... e essas porcarias... aprende tudo 

Ceição: Mais é meu carrinho... que mal há de fazer maça do amor e algodão doce... não leva não moço é meu ganha pão. 

Meire Cleide: Ninguem aqui é crimonoso, o senhor nos trate com mais respeito, que conhecemos nossos direitos 

Segurança: Se não fosse esse barrigão ia ver o que são seus direitos! 

Severino: Ai que o Senhor não fale assim com minha flor... 

Segurança: Leva todo mundo pra delegacia... atua por desacato a autoridade, e perturbação da ordem pública. 

CONFUSÃO OS QUATRO SÃO LEVADOS. CAI A LUZ MÚSICA CHICO BUARQUE (APESAR DE VOCÊ) VÁRIOS ARTISTAS SAEM DO MEIO DA PLATEIA E FAZEM UM CARNAVAL CULTURAL DURANTE A MÚSICA 

3ª CENA: JOÃO E MARIA RETORNAM DA ESCOLA E PROCURAM PELOS PAIS. 
Maria: Olha isso... o Carrinho da mãe... esta tudo quebrado 

João: E as ferramentas do Pai... tudo espelhado, ele nunca abandonou o serviço... Alguém deve ter visto o que aconteceu 

Maria:  Boa coisa é que não foi... ai meu Deus, aquela mania que eles tem que se meter em tudo o que acontece na rua, aposto que se meteram em encrenca.  

João: Vou perguntar pro Segurança...ele não sai daí deve saber... Moço, o senhor viu a mulher da Barraquinha de doces e o... 

Segurança: Já teve confusão de mais por aqui... vão andando que isso aqui é propriedade privada 

João: A rua é pública... o senhor pode mandar ai dentro  

Segurança: Mais um comunistasinha... estou te reconhecendo... é filho daqueles baderneiros, pois saiba que estão em cana, e te mando jogar na Febém também se ficar perturbando a ordem... sumam daqui! 

João: Baderneiros!? 

Maria: (Pucha o Irmão assustada) O pai e a mãe fora presos... vem João... ai meu Deus que vergonha! 

João: Vergonha por que?... Eles dão um duro danando pra sustentar a gente... o pai é o homem  mais digno que eu conheço... ele nunca que ia fazer baderna... e a mãe? Vou já lá na delegacia e ver o que aconteceu... (Grita para o Segurança) Isso não vai ficar assim não, o senhor não pode me tratar assim não, seu pau mandado... 

Segurança: (saca uma armaSai daqui marginal... não vou falar duas vezes! 

Maria: Pelo amor de deus moço... Cala a boca João! Vamos (Saem correndo) 

ESBARRAM NO CAMARADA SEVERINO, AMIGO DE SEU JÃO. 

Camarada Severino: Calma minha gente que o Brasil é grande! 

Maria: (desesperada) Ai tio... Prenderam o pai e mãe! E tem um homem atrás da gente com uma arma! 

Camarada Severino: Calma filha... que história é essa de arma Junior? 

João: Miserável, filho de uma... 

Maria: Cala a boca meu... você é igualzinho o pai... 

Camarada Severino: Calma vocês dois, o camarada João me ligou... o que aconteceu aqui foi uma confusão, um abuso de poder... seus pais não fizeram nada de errado... o advogado do sindicato já esta indo lá... vim aqui tranquilizar vocês. 

João: Aposto que foi aquele maldito... pau mandado miserável... isso não pode ficar assim... 

Maria: Ficar assim não!... pode piorar muito mais, com você levando um tiro... ai que vergonha... meus pais presos...) 

João: Eu tenho é orgulho, o pai não baixa a cabeça... ele tem dignidade. 

Camarada Severino: Tem que ter orgulho mesmo... Seu pai é um camarada que não se cala diante da injustiça... foi preso defendendo um casal de artista de rua... agora vamos lá buscar eles... 

Maria: Eu não vou na delegacia... Já imaginou se a galera fica sabendo? 

João: Putz menina acorda... para de se preocupar com seus amigos fúteis, duvido que os pais daqueles babacas tenham um terço da dignidade que os nossos velhos tem. 

Maria: Cale a boca meu... você que é um retardo... Cdfzinho, com essa conversa de estudar, fazer movimento de direito... eu to fora, quero é curtir minha vida... 

Camarada Severino: Ei... parem já com isso, que já carreguei os dois no colo, e não foi assim que vocês foram educados! Vai pra casa menina e esfria essa cabeça, e você vem comigo. 

Maria: Ai tio... não vem com sermão você também... to cheia dessa droga de vida... (coloca os fones no ouvido) E vou pra casa na hora que quiser ta ligado?.. 

João: Nossa mano... se o pai te escuta... 
  
Camarada Severino: Bora Junior... sua irmã ta de cabeça quente! (Beija carinhosamente a cabeça dela) tudo esta bem quando acaba bem... e esta longe do fim... pensa nisso! (saem) 

SOZINHA, MARIA CHORA, RECOLHE OS PERTENCES DOS PAIS QUE FICARAM ESPALHADOS PELO CHÃO. 

Maria: Eu juro mãe... um dia eu vou te tirar dessa vida... te levar no cabeleireiro, pra fazer as unhas... te comprar uma roupa linda... e você pai?... a vida toda mexendo cimento... se metendo em confusão pra defender os outros... Acho que eu passei mais tempo da minha vida nessa praça do que em casa... Droga!... o pai e o Idiota do meu irmão estão certos... essa merda de vida não é justa! (Tira um spray da bolsa e desenha no muro) + amor por favor!  

VOLTA O SEGURANÇA... O COLETIVO É CONVIDADO A DEBATER E ESCOLHER O FINAL DA TRAMA.